domingo, 3 de abril de 2016

CARGO DE ANCIÃO

Ancião, presbítero e bispo designa o cargo bíblico de supervisor ou superintendente da Congregação. (Escriba Valdemir)


"Ancião" - Um "Cargo" ou Uma Condição?


Depois duma resposta particular que enviamos, Angelino nos fez a seguinte pergunta:
Agora, não entendi muito bem se vocês estão dizendo que designação de anciãos é uma práticaantibíblica. Se eu tiver entendido errado me perdoem por favor, mas na Bíblia há base para designação de anciãos como homens de liderança. O texto de Tito 1:5 por exemplo:
"Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam, e de cidade em cidade estabelecesses presbíteros, como já te mandei."

RESPOSTA:
Não, nós não cremos que a "designação de anciãos", em si, seja antibíblica. Além deste texto que você citou, sobre a situação em Creta, outros que dizem isso diretamente poderiam ser citados, tais como este (na Tradução do Novo Mundo): 
Atos 14:23: Outrossim, designaram-lhes anciãos em cada congregação, e, oferecendo orações com jejuns, encomendaram-nos a Jeová, em quem se tinham tornado crentes. 
Mas a questão é: Estes homens estavam sendo designados como "anciãos" (ou seja, por alguém dizer que a partir daquele momento eles eram "anciãos"), ou será que eles já eram anciãos e estavam sendo designados especificamente para alguma tarefa? Retornemos ao texto de Tito, e vamos lê-lo um pouco além: 
Tito 1:5-7: "Por esta razão te deixei em Creta, para que corrigisses as coisas defeituosas e fizesses designações de anciãos numa cidade após outra, conforme te dei ordens, se houver um homem livre de acusação, marido de uma só esposa, tendo filhos crentes, não acusados de devassidão nem indisciplinados. Porque o superintendente tem de estar livre de acusação como mordomo de Deus, não obstinado, não irascível, não brigão bêbedo, não espancador, não ávido de ganho desonesto,..." 
Note que o texto não está dizendo rigorosamente que aqueles homens seriam "designados como anciãos". Logo a seguir o apóstolo passa a falar sobre as qualificações dum homem para ser superintendente (compare isso com o que diz 1 Timóteo 3:1-7). Ou seja, já existiam com certeza diversos anciãos em cada uma daquelas cidades, mas Tito foi incumbido de selecionar, dentre esses anciãos, alguns para servirem como superintendentes. Não era, portanto, um caso de se designarem homens como anciãos e sim o caso de se designar homens que já eram anciãos como superintendentes. Existe uma diferença. Um homem cristão, que tenha uma boa idade e um bom tempo de cristianismo já é um ancião cristão, sem precisar ser 'nomeado' por ninguém. Mas, tanto um que já é ancião como um homem ainda jovem pode ser nomeado como superintendente, para cumprir alguma tarefa. Em outras palavras, um ancião pode ser um superintendente designado ou não. Um homem mais jovem também pode ser um superintendente ou não (considere o caso dos sete homens acreditados, mencionados em Atos 6:1-4. Eles foram nomeados como superintendentes para aquela tarefa específica, mas o relato não diz que eles eram anciãos. Provavelmente eles eram homens relativamente jovens). Porém, um homem jovem de idade e com pouco tempo de cristianismo jamais poderá ser considerado como "ancião", em sentido bíblico, por decreto de outros homens. Foi isso o que quisemos dizer em nossa resposta anterior. 
Inversamente, um cargo de superintendente pode ser perdido. A pessoa, a partir de certo momento poderá não ser mais superintendente para aquelas tarefas em que servia antes. Mas alguém que atingiu a condição de ancião cristão jamais poderá perdê-la por decreto de outros. De modo que a idéia de alguém 'perder o cargo de ancião' é completamente sem sentido, já que "ancião" não é um "cargo" e sim uma condição adquirida pelo homem cristão. 
Devido a esse entendimento, consideramos errada essa prática que existe na organização de nomear pessoas para o "cargo" de "anciãos", sendo que muitos desses "designados" não passam de homens de seus 25 anos de idade e muitas vezes cristãos convertidos bem poucos anos antes. A falta de experiência desses homens jovens é uma das razões de ocorrerem tantos erros de critério e prejuízos para a vida de outras pessoas. Um homem assim poderia até ser designado como superintendente para alguma tarefa específica, mas em sentido bíblico ele não é ancião de modo algum e não deveria jamais receber nas mãos o amplo poder que se dá aos anciãos dentro do contexto da organização das Testemunhas de Jeová (inclusive o de expulsar pessoas em comissões judicativas, sendo que em muitos casos os expulsos podem ser pessoas bem mais velhas do que eles e com muito mais tempo como cristãos). Não há precedente bíblico para a existência de anciãos com essas características (pouca idade e pouco tempo de cristianismo). Os anciãos no antigo Israel e os da congregação cristã primitiva eram todos anciãos no pleno sentido da palavra; eram homens que tinham idade mais elevada, tendo portanto ampla experiência de vida, e nenhum deles era recém-convertido ao cristianismo. 
Esperamos ter esclarecido melhor o que dissemos.
Mentes Bereanaswww.mentesbereanas.org

No hay comentarios:

Publicar un comentario en la entrada